#1450

A verdade é uma definitiva correspondência entre o acontecimento e o seu relato, ou seja, entre a coisa e a palavra, entre as palavras e as coisas; a verdade não é uma coisa, é uma relação; a verdade é uma transcrição. Verdade não é aquilo que é ou pode ter sido, é aquilo que se diz sobre o que foi ou não foi. (a partir de Giorgio Agamben)

Anúncios

#1449

A fronteira está sempre à frente.

#1448

O lixo, contenha o que contiver, tem sempre o mesmo cheiro.

#1447

Não há plantas de interior; o interior foi criado pelo homem; uma gruta, uma toca, não é um interior – está em continuidade com o terreno; o interior pressupõe uma porta; por isso é necessário limpar o pó a algumas plantas.

#1446

Como a Terra não pára de girar, a repetição nunca cai no mesmo sítio.

[EXTRA #308]

290.ª Semana: #1446 a #1450: Constatações LIV

#1445

Hospital, ortopedia; chamadas sucessivas para a sala de gessos, como se de um atelier de escultura se tratasse.

#1444

Quando se cheira um flato, isso quer dizer que o gás voltou a entrar num corpo – no mesmo ou noutro.

#1443

Almoçar uma mousse.

#1442

Cabo Ruivo, rabo curvo.

#1441

Na carruagem, autocarro, nas filas de espera, estações, nas paragens, todos cabisbaixos a olhar para o ecrã da palma da mão; agora pode-se finalmente olhar para toda a gente sem discrição nem constrangimentos.

[EXTRA #307]

289.ª Semana: #1441 a #1445: Corpo XXX

#1440

É[toi]le.

#1439

Bastam duas mãos para segurar um cérebro.

#1438

Macro – the political, micro – the gesture. (a partir de Tom Holert, Text zur Kunst, n.80)

#1437

O suicídio é uma antecipação, tal é a certeza da morte.

#1436

Nascemos e morrermos e esses são os únicos dias da nossa vida que não têm vinte e quatro horas.” (Anna Caballéa, Babelia, El País, 22/09/2018)

[EXTRA #306]

288.ª Semana: #1436 a #1440: Corpo XXIX

#1435

Int[end]ente.

#1434

A lógica do encontrão, quando subitamente se recua, deve-se à presunção de que se está sozinho na cidade.

#1433

Civismo é reconhecer a presença do outro.

#1432

Túnel: ponte negativa, ponte cega.

#1431

À distância, uma fonte monumental é só imagem, de perto, apenas som.

[EXTRA #305]

287.ª Semana: #1431 a #1435: Cidade VI

#1430

Expirro.

#1429

No mergulho no mar quente mantenho o corpo, mas parece que o peso se dilui no mar ou se mantém à superfície; no mar não é o corpo que flutua mas sim o peso.

#1428

É mais fácil limpar as mãos à toalha se estiverem as duas molhadas; se apenas uma estiver molhada, a que está seca vai resvalar, dificultando a secagem da outra.

#1427

A gargalhada escancara-te a boca, e de repente, vê-se o arco branco da dentadura inferior.

#1426

Não há nada como a chuva para reabilitar um penteado que saiu mal de manhã.

[EXTRA #304]

286.ª Semana: #1426 a #1430: Corpo XXVIII

[EXTRA #303]

próximo post: 17 Setembro 2018

[EXTRA #302]

próximo post: 10 Setembro 2018

#1425

“Se à volta nada mudar, o calor não pode passar de um corpo frio para um quente. (…) Esta é a única lei básica da física que distingue o passado do futuro. (…) A ligação entre o tempo e o calor é, portanto, fundamental: todas as vezes que uma diferença se manifesta entre o passado e o futuro, o calor estará envolvido. Em todas as sequências de eventos que se tornam absurdas se projectadas para trás, há algo que está a aquecer.” (pp.22-23)

#1424

“A palavra ‘tempo’ deriva de uma raiz indo-européia – di ou “dai – que significa ‘dividir’. Durante séculos, dividimos os dias em horas. Na maior parte desses séculos, porém, as horas eram mais longas no verão e mais curtas no inverno, porque as doze horas dividiam o tempo entre o amanhecer e o pôr do sol.” (p.53)

#1423

“Numa inspecção mais próxima, na verdade, mesmo as coisas que são mais ‘parecidas com coisas’ não são nada mais do que eventos longos. ‘Coisas’ em si são apenas eventos que por uns momentos são monótonos.” (pp.87,92)

#1422

“‘Agora’ não significa nada. A noção de ‘presente’ refere-se a coisas que estão perto de nós, não a algo que esteja longe. O nosso ‘presente’ não se estende por todo o universo. É como uma bolha à nossa volta.” (p.40)

#1421

“Uma massa desacelera o tempo à sua volta. A Terra é uma grande massa e abranda o tempo ao seu redor. Isso acontece mais nas planícies do que nas montanhas, porque as planícies estão mais próximas de si.” (p.12)

[EXTRA #301]

285.ª Semana: #1421 a #1425: Carlo Rovelli
~
Carlo Rovelli, The Order of Time. London: Allen Lane/Penguin Books, 2018

#1420

Do que se desvia o Metro quando curva?

#1419

À espera do comboio, olha-se para a outra plataforma, para os outros pacientes; em forma de espelho?

#1418

Como se percebe que um desenho de um homem amputado está acabado?

#1417

Como se percebe que um desenho de algo em construção está acabado?

#1416

Como se percebe que um desenho de umas ruínas está acabado?

[EXTRA #300]

284.ª Semana: #1416 a #1420: Perguntas V

#1415

Queque, cake; panqueca, bolo panorâmico.

#1414

Disparate é diferente.

#1413

Em espanhol, pó é polvo, polvo é pulpo, pulverizar é reduzir a pó, a polvo.

#1412

Em espanhol gordura é grasa, graça é ausência de peso.

#1411

Ponteiros do relógio, watch hands.

[EXTRA #299]

283.ª Semana: #1411 a #1415: Palavras XXX